One place for hosting & domains

      March 2019

      WooCommerce Guide: How to Start an Online Store in 1 Hour


      There are a lot of ways to make money online, but one of the best is to start an online store. But if you don’t have a lot of experience creating websites or selling products and services, where do you even start?

      Fear not. Fortunately, a few simple tools make it surprisingly easy to get your feet wet in the world of e-commerce. By using WordPress as your website’s platform and leveraging the WooCommerce plugin to actually build your store, you can be up and running in an hour — or about the amount of time it takes to watch an episode of your favorite Netflix show. The process will still require some upfront work, but it is totally manageable (even if you’re a newbie!).

      In this comprehensive guide, we’ll provide you with everything you need to get your online shop off the ground. We’ll discuss the advantages of using both WordPress and WooCommerce and walk you through setting up your store and creating products. Finally, we’ll offer some tips for designing and promoting your site effectively.

      An Introduction to E-Commerce

      Amazon is probably the most famous (and successful) e-commerce website.

      If you’ve never heard of e-commerce before, it’s a blanket term that refers to buying and selling goods or services online. So if you’ve ever purchased something on the internet, you’ve engaged in e-commerce.

      We probably don’t have to tell you how vast and complex the world of e-commerce has become. You can buy nearly anything online, from toothbrushes to houses, and most items are offered by multiple sellers. What’s more, you can purchase digital products, services, and all sorts of other non-physical products as well.

      This means that if you’re interested in becoming a seller yourself, you’re going to have a lot of competition. Don’t be intimidated — it is possible to start your own online store and do quite well. However, you’ll have to put some work in first. The first step is choosing the best tools to build your store.

      Why You Should Consider WordPress for Your E-Commerce Store

      WordPress is an outstanding platform for building your online store.

      While there are other options, such as selling your products through an existing marketplace like Amazon, most people get their e-commerce start by creating their own store. Of course, an online store is just another kind of website. So your first decision will be picking a platform to build your website.

      If you aren’t sold on a particular platform already, we highly recommend WordPress. This free, open-source Content Management System (CMS) is a standout choice for websites of all types. It’s beginner-friendly but so flexible and customizable that you can build almost any site with it.

      WordPress got its start as a blogging platform, but it’s now used for business websites, portfolios, news sites, and much more. It’s also an incredibly popular choice with business owners for e-commerce sites for a number of reasons:

      • The WordPress community has developed thousands of themes and plugins you can use to customize your site, including many tools for e-commerce. This means you can tweak the appearance of your store until it’s just right and add nearly any feature to it, whether you’re running a massive enterprise or a small business.
      • As a platform, WordPress is very secure. New updates and patches are regularly released to combat the latest threats. Plus, there are a lot of ways you can boost site security. This is a big deal for e-commerce sites since they typically deal with sensitive financial data.
      • There’s a vast community out there to support you. Getting involved in e-commerce can be tricky. No matter what question or problem you have, however, there will be plenty of people who can help you out.

      You really can’t go wrong with WordPress for building your online store — no matter how big you want it to be or what you plan to sell. The only caveat is that, out of the box, the platform doesn’t provide dedicated e-commerce features. However, that issue can be quickly resolved by installing the right WordPress plugin.

      An Introduction to WooCommerce

      The WooCommerce plugin adds e-commerce capabilities to your WordPress website.

      There are multiple plugins that can add e-commerce capabilities to your WordPress site. None of them can truly compete with WooCommerce. This free WordPress plugin is the most popular solution for online stores within the platform — and for good reason. Like WordPress itself, WooCommerce is both easy to get started with and endlessly flexible.

      Installing the WooCommerce plugin will immediately add all sorts of useful e-commerce functionality to your site, such as product pages, a checkout option, and a payment system. It offers a number of useful settings and options, so you can tweak your store to meet your exact needs.

      WooCommerce works well for selling physical items, digital products, or both. Whether you’re starting up a small store to sell a few downloads or hoping to move hundreds of products a day, WooCommerce has you covered.

      Key Features

      • Enables you to create dedicated, customizable pages for each product or service.
      • Adds a checkout feature to your site so visitors can make purchases directly.
      • Includes various options for payment methods and shipping.

      Pricing

      WooCommerce is a free plugin and is, in many cases, suitable on its own. If you want to expand its capabilities, however, there’s an extension store offering all kinds of additional features.

      What to Do Before Building Your Online Store

      WooCommerce-specific hosting is the best way to start your store off on the right foot.

      In a moment, we’ll walk you through how to set up an online store using WordPress and WooCommerce. However, there are two things you’ll want to do first. In order for your store to be available online, you’ll need both a domain name and a WordPress hosting plan.

      Your domain name is the part of your site’s URL that comes after the www — for example, dreamhost.com. Purchasing a domain is simple. You’ll have to pay an upfront cost, then a renewal fee each year, but these are usually quite affordable.

      You can think of your domain like an address. It’s one of the key ways people will find you, so it’s important to make your choice carefully. Try to pick something simple and clear but also memorable enough to stand out. Take the time now to find something you’re happy with, so you don’t have to go through the hassle of changing your domain later.

      If your domain is your site’s address, your hosting is where it ‘lives.’ Your web host provider will store your site’s files on its servers, so anyone with an internet connection can access it. There are many web host options, a lot of which are quite cheap. However, it’s best not to rush this decision either. After all, your web host will affect your site’s performance, security, optimization, and much more.

      If you want to run a successful store, these elements are crucial. In addition, you’ll want to look for a host with a solid reputation, excellent support options, and — ideally — WordPress-specific features. It’s also best to select one with solid domain services since it’s easier to manage your hosting and domain in one place.



      Since you’ll be setting up a WooCommerce store, you should definitely check out our WooCommerce hosting. This plan is optimized for WordPress and comes with WooCommerce pre-installed (along with some other helpful tools). You’ll get lots of storage and resource scaling options so you can grow your store, and plenty of support for those times when you need help. Plus, it’s very affordable.

      Your Store Deserves WooCommerce Hosting

      Sell anything, anywhere, anytime on the world’s biggest eCommerce platform with optimized hosting, starting at $16.95/mo.

      Before we move on, let’s talk a little bit about security. As we’ve mentioned, keeping your online store safe from hackers and malware is essential. One smart way to do this is through the use of HTTPS, which is a more secure version of the HTTP you see at the beginning of many URLs. If you want your site to run on HTTPS, you’ll need a Secure Sockets Layer (SSL) certificate.

      We mention this now because, while you can get an SSL certificate through an external source, it’s easiest to obtain it as part of your hosting. For example, our WooCommerce hosting plan includes a free, preinstalled Let’s Encrypt SSL certificate. This way, your store will be even more secure right from the very start. SSL certificates are important for most sites these days, but they’re a must-have for e-commerce stores.

      How to Start an Online Store in 1 Hour

      Once you have a hosting plan picked out and a domain in place, you’re ready to start building your online store! Let’s walk through the process, step by step. No developers required.

      1. Install WordPress (5 Minutes)

      The first thing you’ll need to do to get your new website up and running is install WordPress. How you do this will vary, depending on your choice of host. In some cases, you may be able to skip this step altogether. For example, if you opt for our WooCommerce hosting (or our regular DreamPress plan), WordPress will be pre-installed so you don’t have to worry about it.

      If you have a different host or type of plan, you’ll need to log into your hosting account, find the installation button or link, and follow the resulting prompts. If you’re lucky, your host will simplify the process even if WordPress doesn’t come pre-installed.

      For example, on some of our more basic hosting plans, we offer a one-click install option. You simply need to visit your Dreamhost panel and navigate to WordPress > One-Click Installs.

      Select WordPress on the next screen, and you’ll be presented with a few fields to fill out. You can select the domain to use under Install to.

      You can usually leave the other fields alone since they contain more advanced options. Check the Deluxe Install button if you want your site to come with some handy themes and plugins pre-installed, then select Install it for me now! After that, you’ll be sent an email at the address associated with your DreamHost account. It will contain your username and a link to your new site.

      Finally, in some cases, you may need to install WordPress manually. This is a little more involved, requiring a few additional tools, but can still be completed in less than five minutes. If you find yourself in that situation, we recommend following WordPress’ own handy installation tutorial.

      2. Install and Configure WooCommerce (10 Minutes)

      Next up, we have another step you may be able to skip entirely. After all, our WooCommerce hosting comes with the plugin pre-installed and pre-configured. This way, you’re ready to start building your online store from the moment you first visit your new site.

      Still, let’s walk through the process of manually installing WooCommerce and setting it up, in case you have a different plan. You’ll first need to visit your WordPress site, navigate to the Plugins tab, and select the Add New button at the top of the screen.

      Type “WooCommerce” into the search field and the plugin should come up right away. Click on Install Now, and wait a few moments. A new button should appear, called Activate, which you’ll need to click.

      That’s all you need to do to add the plugin to your site. It’s now ready to use and will automatically set up the essential pages you’ll need for your store (such as a shopping cart and checkout page). However, we recommend walking through the short setup wizard to configure a few key options.

      This wizard should appear right after you install the plugin. On the first page, you’ll enter a few key details about your store. This includes where it’s located, what currency it will use, and what types of products you’re planning to sell.

      Keep in mind that you can go back and change any of these settings later. Next, you’ll select the payment options that will be available to your customers.

      By default, you can choose any combination of Stripe, PayPal, and offline payments. If those options aren’t enough, you can always add more through extensions.

      Click on Continue, and you’ll be able to configure your standard shipping rates. You can choose from either free shipping or a flat fee (again, more options are available in the extension store).

      The next two screens offer a couple of extra tools, which you can safely skip for now. Keep moving through until you reach the Ready! step.

      This lets you know you’re done with the setup wizard. There are a few handy links here, such as one to create your first product. We’ll get to that in a moment. First, however, we want to optimize WooCommerce a bit more fully, so select Return to your dashboard instead.

      3. Optimize WooCommerce’s Settings (15 Minutes)

      The WooCommerce wizard gets your store up and running. However, there are a lot more settings within the plugin to configure. To set up a unique store tailored to your requirements, you may need to spend some additional time tweaking it.

      To get started, visit WooCommerce > Settings in your admin panel.

      There are a lot of options here. We won’t go through all of them, but we’ll touch on some of the highlights.

      For example, under the General tab, you can choose what countries you’re willing to sell and ship to and decide whether to enable taxes. The latter is usually a smart idea since neglecting to collect taxes from your customers can leave you facing a hefty bill at the end of the year. If you’re new to the world of sales tax, the WooCommerce documentation offers a handy guide for understanding it.

      In the Products tab, you’ll see the same measurement units you set up in the WooCommerce wizard. However, you’ll also find some options related to reviews.

      You can let customers leave reviews on products, and even give star ratings. This can encourage new visitors to purchase — as long as the reviews are positive! The rest of the sub-tabs here help you customize how products will be displayed, and determine how inventory will be managed.

      The Shipping tab enables you to add more shipping zones, if you’d like, to further customize your methods and rates. You can also configure how shipping works under the Shipping options sub-tab.

      Moving on, under Payments, you’ll find a variety of settings. You can start by deciding how to accept payments from customers, including through in-person transactions such as bank transfers, checks, and cash. You can also manage default payment gateways such as PayPal.

      By selecting a particular sub-tab, you can navigate to a screen containing settings that are unique to each type of payment. There, you can configure each payment type further.

      We’re almost done! The next tab, Accounts, lets you set up how customers’ accounts will work. For example, you can determine where they’ll register on your site and how accounts will be created.

      Under Emails, you can customize what types of notifications will be sent to which email addresses. At the bottom of the page, you’ll also have some options for personalizing what emails sent from your store to customers will look like.

      The last tab, API, contains some more technical settings for advanced users and can be safely ignored for now. With that, you’ve made your way through the entire WooCommerce settings page! You can always return here and make changes whenever you’d like, as you start building your store and getting a feel for how you’d like it to work.

      4. Add Your First Product (30 Minutes)

      With your store all set up, it’s finally time to start adding products! Fortunately, WooCommerce makes the process pretty simple. To add your first item, navigate to Products > Add New in your dashboard.

      If you’ve ever created a WordPress website before, this screen should look very familiar. In many ways, it’s identical to the Classic Editor (which has recently been replaced by the Block Editor). Of course, there are a number of new options and settings.

      Start out by scrolling down to the Product data section. Here, you can choose what type of item this product is, whether it’s downloadable, and what its price should be.

      Under the next tab, Inventory, you can create an SKU (or unique identifier) for the product and configure a few other behind-the-scenes options. Then under Shipping, you can enter the product’s weight and dimensions and choose its shipping class if applicable.

      The rest of the choices in this section are pretty optional, although we’d recommend checking out the Linked Products tab. Here, you can determine what kinds of related products will be promoted to visitors, which is a smart way to increase sales.

      At the bottom of the page, you’ll find the Product short description section.

      This is where you can enter a summary of the item, which will appear on your product listings’ pages. Keep it brief and focus on the key selling point. In other words, how does this product solve a crucial problem or make your customers’ lives easier?

      Scrolling back up, the main editor is where you can enter a full description of your product. Be as thorough as possible here, highlighting its essential features and providing all the information a customer will need to make an informed choice. Most importantly, don’t forget to use the Add Media button to include images of the product, ideally from multiple perspectives. The better potential customers can visualize the item, the more likely they’ll be to open their wallets.

      To enter a main, featured image for the item, you can use the Product image section in the right-hand column. Just under that, there’s an option to create a Product gallery, which is an excellent idea if your item comes in multiple styles or colors. Also in this column, you can add a category and tags to your product.

      This is recommended for a couple of reasons. First, it helps you keep everything organized. Second, it makes it easier for both potential customers and search engine bots to find your products and understand what they are.

      When you have everything set up the way you’d like, simply click on Publish to make your product live! Then you can repeat the process for each additional item. You can always come back and make changes to your existing product pages if information or images need to be updated.

      5. Choose a WooCommerce-Compatible Theme (Optional)

      Storefront is the official WooCommerce theme and is a solid choice for most stores.

      Your store is now set up, and you’re ready to start selling products. However, let’s address one more optional step. One of the nice things about using WordPress to create your online store is that you can use any theme you want to customize its appearance.

      However, you may want to try out a theme that’s specifically designed for WooCommerce instead. This way, your theme will be optimized to work alongside the plugin’s unique features and fit its style. In addition, you’ll often get access to useful content types and functionality that will help you tweak your store further.

      For most people, the best choice here will be the Storefront theme. This is WooCommerce’s official theme and is built from the ground up to integrate with the plugin. It offers flexible design and display options, and you can customize it to match your branding. Storefront is free, although there are extensions you can use to add more options.

      Another bonus? If you sign up for DreamHost’s WooCommerce hosting plan, you’ll have Storefront pre-installed.

      If you don’t like the look of Storefront, however, there are plenty of other themes you can use. ThemeForest, for example, offers a range of premium themes designed for the plugin. No matter where you get your WooCommerce theme, make sure to take your time and choose carefully. A quality theme can do a lot to improve your store’s odds of success.

      Tips for Improving Your WooCommerce Store’s Design

      A simple, well-branded design will help your WooCommerce store stand out.

      Before we wrap this guide up, we want to address two more crucial elements. First up, let’s talk about your store’s design. With both WooCommerce and a theme like Storefront installed, it should be looking pretty spiffy. As you’re building your store and tweaking its appearance, here are a few tips to keep in mind:

      • Incorporate your branding throughout your store, and use its elements consistently. This includes your logo, tagline, color scheme, typography, and so on. If you haven’t developed any branding yet, now is the time to get started.
      • Make sure your store is easy to navigate and search. If people can’t find the products they need quickly, they’ll probably move on to a different store. This means including a prominent search bar and organizing your items through hierarchical categories.
      • Include plenty of images all across your site, not just on your product pages. More importantly, ma ke sure all the images you use are high quality and optimized to show off your items without slowing down your pages.
      • Try to avoid clutter. Keep the focus on what you’re selling and don’t confuse visitors with too much information. A minimalist design can go a long way for an e-commerce business.

      Promoting Your WooCommerce Store

      WordPress offers many tools, like the OptinMonster plugin, to help you market your store.

      Finally, we’d be remiss not to mention the importance of promoting your online store. Simply hoping people will stumble across it in search engines won’t be enough — you’ll need to get out there and do some marketing.

      Again, this is a pretty complex topic, and no one approach is right for every store. So let’s run through some of the best ways to promote your e-commerce site and provide some resources you can use to learn more about each one:

      • Pay-Per-Click (PPC) advertising — This strategy is as simple as it gets. You pay a website like Google to have your store appear in relevant searches. Even better, you only pay when someone actually clicks on one of your ads.
      • Email marketing — Building an email list is a hugely popular strategy. You can capture the emails of interested parties, and then send them targeted messages and promotions. Plus, you can do this right from your WordPress site, using a plugin such as OptinMonster.
      • Social media marketing — Everyone is plugged into social media these days, so it’s the perfect place to find potential customers. You’ll just need to choose the right platforms to focus on, then use a few basic strategies to get the word out there about your store.
      • Promotions and discounts — Putting your products on sale or running a special promotion is a smart way to drum up interest and convince people to give you a try. WooCommerce offers its own features to help you do this, and you can also combine this approach with your email and social media marketing.

      Promoting your e-commerce site takes some effort. Just remember that the more channels you use, the better your chances will be for getting lots of eyes on your products or services. The work of promotion is something to focus on before, during, and after the actual launch of your online store.

      Selling, Selling, Gone

      Getting started with e-commerce has never been easier, thanks to all the dedicated tools and solutions that are now available. However, it takes some work to ensure that you stand out from the crowd. Understanding how to build, perfect, and promote your online store beforehand is crucial to its success.

      When choosing the right platforms for your e-commerce store, you can’t go wrong with WordPress and WooCommerce. First, you’ll need to pick a domain and then select a hosting plan.

      Do you have any questions about the platform or how to build your WooCommerce shop? Join the DreamHost Community today and ask us anything!



      Source link

      Como Instalar Elasticsearch, Logstash e Kibana (Elastic Stack) no Ubuntu 18.04


      O autor selecionou o Internet Archive para receber uma doação como parte do programa Write for DOnations

      Introdução

      O Elastic Stack — anteriormente conhecido como ELK Stack — é uma coleção de software open-source produzido pela Elastic que lhe permite pesquisar, analisar e visualizar logs gerados a partir de qualquer fonte, em qualquer formato, em uma prática conhecida como centralização de logs. A centralização de logs pode ser muito útil ao tentar identificar problemas com seus servidores ou aplicativos, pois permite que você pesquise todos os seus logs em um único local. Ela é útil também porque permite identificar problemas que envolvem vários servidores, correlacionando seus logs durante um período de tempo específico.

      O Elastic Stack possui quatro componentes principais:

      • Elasticsearch: um mecanismo de pesquisa RESTful distribuído que armazena todos os dados coletados.

      • Logstash: o componente de processamento de dados do Elastic Stack que envia dados de entrada para o Elasticsearch.

      • Kibana: uma interface web para a pesquisa e a visualização de logs.

      • Beats: carregadores de dados leves e de propósito único que podem enviar dados de centenas ou milhares de máquinas para o Logstash ou para o Elasticsearch.

      Neste tutorial você irá instalar o Elastic Stack em um servidor Ubuntu 18.04. Você irá aprender como instalar todos os componentes do Elastic Stack — incluindo o Filebeat, um Beat usado para encaminhar e centralizar logs e arquivos — e configurá-los para reunir e visualizar os logs do sistema. Além disso, como o Kibana normalmente está disponível apenas no localhost, usaremos o Nginx para fazer proxy dele, de modo que ele seja acessível em um navegador web. Instalaremos todos esses componentes em um único servidor, o qual nos referiremos como nosso servidor Elastic Stack.

      Nota: Ao instalar o Elastic Stack, você deve usar a mesma versão em toda a pilha ou stack. Neste tutorial vamos instalar as versões mais recentes de toda a stack, que são, no momento desta publicação, Elasticsearch 6.4.3, Kibana 6.4.3, Logstash 6.4.3 e Filebeat 6.4.3.

      Pré-requisitos

      Para completar este tutorial, você irá precisar do seguinte:

      • Um servidor Ubuntu configurado seguindo nosso Guia de Configuração Inicial de servidor com Ubuntu 18.04, incluindo um usuário não-root com privilégios sudo e um firewall configurado com ufw. A quantidade de CPU, RAM e armazenamento que o seu servidor Elastic Stack exigirá depende do volume de logs que você pretende reunir. Para este tutorial, usaremos um VPS com as seguintes especificações para o nosso servidor Elastic Stack:

        • SO: Ubuntu 18.04
        • RAM: 4GB
        • CPU: 2
      • Java 8 — que é exigido pelo Elasticsearch e pelo Logstash — instalado em seu servidor. Observe que o Java 9 não é suportado. Para istalar isso, siga a seção “Installing the Oracle JDK” do nosso guia sobre como instalar o Java 8 no Ubuntu 18.04.

      • Nginx instalado em seu servidor, que vamos configurar mais tarde neste guia como um proxy reverso para o Kibana. Siga nosso guia sobre Como Instalar o Nginx no Ubuntu 18.04 para configurar isso.

      Além disso, como o Elastic Stack é usado para acessar informações valiosas sobre seu servidor, as quais você não deseja que usuários não autorizados acessem, é importante manter seu servidor seguro instalando um certificado TLS/SSL. Isso é opcional mas é fortemente recomendado.

      No entanto, como você acabará fazendo alterações no bloco do servidor Nginx ao longo deste guia, provavelmente faria mais sentido para você concluir o guia Como Proteger o Nginx com o Let’s Encrypt no Ubuntu 18.04 no final do segundo passo deste tutorial. Com isso em mente, se você planeja configurar o Let’s Encrypt no seu servidor, você precisará do seguinte, antes de fazer isso:

      • Um domínio completamente qualificado (FQDN). Este tutorial irá utilizar example.com durante todo o processo. Você pode comprar um nome de domínio em Namecheap, obter um gratuitamente em Freenom, ou utilizar o registrador de domínio de sua escolha.

      • Ambos os registros DNS a seguir configurados para o seu servidor. Você pode seguir esta introdução ao DigitalOcean DNS para detalhes sobre como adicioná-los.

        • Um registro A com example.com apontando para o endereço IP público do seu servidor.
        • Um registro A com www.example.com apontando para o endereço IP público do seu servidor.

      Passo 1 — Instalando e Configurando o Elasticsearch

      Os componentes do Elastic Stack não estão disponíveis nos repositórios de pacotes padrão do Ubuntu. Eles podem, no entanto, ser instalados com o APT após adicionar a lista de origens de pacotes da Elastic.

      Todos os pacotes do Elastic Stack são assinados com a chave de assinatura do Elasticsearch para proteger seu sistema contra falsificação de pacotes. Os pacotes que foram autenticados usando a chave serão considerados confiáveis pelo seu gerenciador de pacotes. Nesta etapa, você importará a chave GPG pública do Elasticsearch e adicionará a lista de origens de pacotes da Elastic para instalar o Elasticsearch.

      Para começar, execute o seguinte comando para importar a chave GPG pública do Elasticsearch para o APT:

      • wget -qO - https://artifacts.elastic.co/GPG-KEY-elasticsearch | sudo apt-key add -

      Em seguida, adicione a lista de origens da Elastic ao diretório sources.list.d, onde o APT irá procurar por novas origens:

      • echo "deb https://artifacts.elastic.co/packages/6.x/apt stable main" | sudo tee -a /etc/apt/sources.list.d/elastic-6.x.list

      Em seguida, atualize suas listas de pacotes para que o APT leia a nova origem da Elastic:

      Em seguida, instale o Elasticsearch com este comando:

      • sudo apt install elasticsearch

      Quando o Elasticsearch terminar a instalação, use seu editor de texto preferido para editar o arquivo de configuração principal do Elasticsearch, elasticsearch.yml. Aqui, usaremos o nano:

      • sudo nano /etc/elasticsearch/elasticsearch.yml

      Nota: O arquivo de configuração do Elasticsearch está no formato YAML, o que significa que a identação é muito importante! Certifique-se de não adicionar espaços extras ao editar esse arquivo.

      O Elasticsearch escuta o tráfego vindo de qualquer lugar na porta 9200. Você vai querer restringir o acesso externo à sua instância do Elasticsearch para impedir que pessoas de fora leiam seus dados ou desliguem o cluster do Elasticsearch por meio da API REST. Encontre a linha que especifica network.host, descomente-a e substitua seu valor por localhost para que fique assim:

      /etc/elasticsearch/elasticsearch.yml

      . . .
      network.host: localhost
      . . .
      

      Salve e feche o elasticsearch.yml pressionando CTRL+X, seguido de Y e depoisENTER se você estiver usando o nano. Em seguida, inicie o serviço Elasticsearch com o systemctl:

      • sudo systemctl start elasticsearch

      Depois, execute o seguinte comando para permitir que o Elasticsearch seja iniciado toda vez que o servidor for inicializado:

      • sudo systemctl enable elasticsearch

      Você pode testar se o serviço do Elasticsearch está sendo executado enviando uma solicitação HTTP:

      • curl -X GET "localhost:9200"

      Você verá uma resposta mostrando algumas informações básicas sobre o seu nó local, semelhante a esta:

      Output

      { "name" : "ZlJ0k2h", "cluster_name" : "elasticsearch", "cluster_uuid" : "beJf9oPSTbecP7_i8pRVCw", "version" : { "number" : "6.4.2", "build_flavor" : "default", "build_type" : "deb", "build_hash" : "04711c2", "build_date" : "2018-09-26T13:34:09.098244Z", "build_snapshot" : false, "lucene_version" : "7.4.0", "minimum_wire_compatibility_version" : "5.6.0", "minimum_index_compatibility_version" : "5.0.0" }, "tagline" : "You Know, for Search" }

      Agora que o Elasticsearch está instalado e funcionando, vamos instalar o Kibana, o próximo componente do Elastic Stack.

      Passo 2 — Instalando e Configurando o Painel do Kibana

      De acordo com a documentação oficial, você deve instalar o Kibana somente após instalar o Elasticsearch. A instalação nesta ordem garante que os componentes dos quais cada produto depende estão corretamente posicionados.

      Como você já adicionou a origem de pacotes do Elastic no passo anterior, você pode simplesmente instalar os componentes restantes do Elastic Stack usando o apt:

      Em seguida, ative e inicie o serviço Kibana:

      • sudo systemctl enable kibana
      • sudo systemctl start kibana

      Como o Kibana está configurado para escutar somente no localhost, devemos configurar um proxy reverso para permitir acesso externo a ele. Utilizaremos o Nginx para esse propósito, que já deve estar instalado no seu servidor.

      Primeiro, use o comando openssl para criar um usuário administrativo do Kibana que será usado para acessar a interface web do mesmo. Como exemplo, nomearemos essa conta como kibanaadmin, mas para garantir maior segurança, recomendamos que você escolha um nome que não seja óbvio para seu usuário e que seja difícil de adivinhar.

      O comando a seguir criará o usuário e a senha do usuário administrativo do Kibana e os armazenará no arquivo htpasswd.users. Você irá configurar o Nginx para requerer este nome de usuário e senha e ler este arquivo momentaneamente:

      • echo "kibanaadmin:`openssl passwd -apr1`" | sudo tee -a /etc/nginx/htpasswd.users

      Digite e confirme uma senha no prompt. Lembre-se ou anote este login, pois você precisará dele para acessar a interface web do Kibana.

      Em seguida, criaremos um arquivo de bloco do servidor Nginx. Como exemplo, vamos nos referir a este arquivo como example.com, embora você possa achar útil dar um nome mais descritivo ao seu. Por exemplo, se você tiver um FQDN e registros DNS configurados para este servidor, poderá nomear esse arquivo após seu FQDN:

      • sudo nano /etc/nginx/sites-available/example.com

      Adicione o seguinte bloco de código ao arquivo, certificando-se de atualizar example.com para corresponder ao FQDN do seu servidor ou ao seu endereço IP público. Este código configura o Nginx para direcionar o tráfego HTTP do seu servidor para o aplicativo Kibana, que está escutando em localhost:5601. Além disso, configura o Nginx para ler o arquivo htpasswd.users e requerer autenticação básica.

      Observe que, se você seguiu o o tutorial de pré-requisitos do Nginx até o final, você já deve ter criado esse arquivo e preenchido com algum conteúdo. Nesse caso, exclua todo o conteúdo existente no arquivo antes de adicionar o seguinte:

      /etc/nginx/sites-available/example.com

      
      server {
          listen 80;
      
          server_name example.com;
      
          auth_basic "Restricted Access";
          auth_basic_user_file /etc/nginx/htpasswd.users;
      
          location / {
              proxy_pass http://localhost:5601;
              proxy_http_version 1.1;
              proxy_set_header Upgrade $http_upgrade;
              proxy_set_header Connection 'upgrade';
              proxy_set_header Host $host;
              proxy_cache_bypass $http_upgrade;
          }
      }
      

      Quando terminar, salve e feche o arquivo.

      Em seguida, ative a nova configuração criando um link simbólico para o diretório sites-enabled. Se você já criou um arquivo de bloco do servidor com o mesmo nome no pré-requisito do Nginx, não será necessário executar este comando:

      • sudo ln -s /etc/nginx/sites-available/example.com /etc/nginx/sites-enabled/example.com

      Em seguida, verifique a configuração para erros de sintaxe:

      Se algum erro for relatado em sua saída, volte e verifique se o conteúdo que você colocou no seu arquivo de configuração foi adicionado corretamente. Uma vez que você veja syntax is ok na saída, vá em frente e reinicie o serviço Nginx:

      • sudo systemctl restart nginx

      Se você seguiu o guia de configuração inicial do servidor, você deverá ter um firewall UFW ativado. Para permitir conexões ao Nginx, podemos ajustar as regras digitando:

      • sudo ufw allow 'Nginx Full'

      Nota: Se você seguiu o tutorial de pré-requisitos do Nginx, você pode ter criado uma regra UFW permitindo o perfil Nginx HTTP através do firewall. Como o perfil Nginx Full permite o tráfego HTTP e HTTPS através do firewall, você pode excluir com segurança a regra criada no tutorial de pré-requisitos. Faça isso com o seguinte comando:

      • sudo ufw delete allow 'Nginx HTTP'

      O Kibana agora pode ser acessado pelo seu FQDN ou pelo endereço IP público do seu servidor Elastic Stack. Você pode verificar a página de status do servidor Kibana, navegando até o seguinte endereço e digitando suas credenciais de login quando solicitado:

      • http://ip_do_seu_servidor/status

      Essa página de status exibe informações sobre o uso de recursos do servidor e lista os plug-ins instalados.

      Note: Conforme mencionado na seção de Pré-requisitos, é recomendável ativar o SSL/TLS em seu servidor. Você pode seguir este tutorial agora para obter um certificado SSL grátis para o Nginx no Ubuntu 18.04. Depois de obter seus certificados SSL/TLS, você pode voltar e concluir este tutorial.

      Agora que o painel do Kibana está configurado, vamos instalar o próximo componente: Logstash.

      Passo 3 — Instalando e Configurando o Logstash

      Embora seja possível que o Beats envie dados diretamente para o banco de dados do Elasticsearch, recomendamos o uso do Logstash para processar os dados. Isso permitirá coletar dados de diferentes origens, transformá-los em um formato comum e exportá-los para outro banco de dados.

      Instale o Logstash com este comando:

      • sudo apt install logstash

      Depois de instalar o Logstash, você pode continuar a configurá-lo. Os arquivos de configuração do Logstash são escritos no formato JSON e residem no diretório /etc/logstash/conf.d. Ao configurá-lo, é útil pensar no Logstash como um pipeline que coleta dados em uma extremidade, os processa de uma forma ou de outra e os envia para o destino (nesse caso, o destino é o Elasticsearch). Um pipeline do Logstash tem dois elementos obrigatórios, input e output, e um elemento opcional, filter. Os plugins de input ou de entrada consomem dados de uma fonte, os plug-ins filter ou de filtro processam os dados, e os plugins de output ou de saída gravam os dados em um destino.

      Crie um arquivo de configuração chamado 02-beats-input.conf onde você irá configurar sua entrada para o Filebeat:

      • sudo nano /etc/logstash/conf.d/02-beats-input.conf

      Insira a seguinte configuração de input. Isto especifica uma entrada beats que irá escutar na porta TCP 5044.

      /etc/logstash/conf.d/02-beats-input.conf

      
      input {
        beats {
          port => 5044
        }
      }
      

      Salve e feche o arquivo. Em seguida, crie um arquivo de configuração chamado 10-syslog-filter.conf, onde adicionaremos um filtro para logs do sistema, também conhecido como syslogs:

      • sudo nano /etc/logstash/conf.d/10-syslog-filter.conf

      Insira a seguinte configuração do filtro syslog. Este exemplo de configuração de logs do sistema foi retirado da documentação oficial do Elastic. Esse filtro é usado para analisar os logs de entrada do sistema para torná-los estruturados e utilizáveis pelos painéis predefinidos do Kibana:

      /etc/logstash/conf.d/10-syslog-filter.conf

      
      filter {
        if [fileset][module] == "system" {
          if [fileset][name] == "auth" {
            grok {
              match => { "message" => ["%{SYSLOGTIMESTAMP:[system][auth][timestamp]} %{SYSLOGHOST:[system][auth][hostname]} sshd(?:[%{POSINT:[system][auth][pid]}])?: %{DATA:[system][auth][ssh][event]} %{DATA:[system][auth][ssh][method]} for (invalid user )?%{DATA:[system][auth][user]} from %{IPORHOST:[system][auth][ssh][ip]} port %{NUMBER:[system][auth][ssh][port]} ssh2(: %{GREEDYDATA:[system][auth][ssh][signature]})?",
                        "%{SYSLOGTIMESTAMP:[system][auth][timestamp]} %{SYSLOGHOST:[system][auth][hostname]} sshd(?:[%{POSINT:[system][auth][pid]}])?: %{DATA:[system][auth][ssh][event]} user %{DATA:[system][auth][user]} from %{IPORHOST:[system][auth][ssh][ip]}",
                        "%{SYSLOGTIMESTAMP:[system][auth][timestamp]} %{SYSLOGHOST:[system][auth][hostname]} sshd(?:[%{POSINT:[system][auth][pid]}])?: Did not receive identification string from %{IPORHOST:[system][auth][ssh][dropped_ip]}",
                        "%{SYSLOGTIMESTAMP:[system][auth][timestamp]} %{SYSLOGHOST:[system][auth][hostname]} sudo(?:[%{POSINT:[system][auth][pid]}])?: s*%{DATA:[system][auth][user]} :( %{DATA:[system][auth][sudo][error]} ;)? TTY=%{DATA:[system][auth][sudo][tty]} ; PWD=%{DATA:[system][auth][sudo][pwd]} ; USER=%{DATA:[system][auth][sudo][user]} ; COMMAND=%{GREEDYDATA:[system][auth][sudo][command]}",
                        "%{SYSLOGTIMESTAMP:[system][auth][timestamp]} %{SYSLOGHOST:[system][auth][hostname]} groupadd(?:[%{POSINT:[system][auth][pid]}])?: new group: name=%{DATA:system.auth.groupadd.name}, GID=%{NUMBER:system.auth.groupadd.gid}",
                        "%{SYSLOGTIMESTAMP:[system][auth][timestamp]} %{SYSLOGHOST:[system][auth][hostname]} useradd(?:[%{POSINT:[system][auth][pid]}])?: new user: name=%{DATA:[system][auth][user][add][name]}, UID=%{NUMBER:[system][auth][user][add][uid]}, GID=%{NUMBER:[system][auth][user][add][gid]}, home=%{DATA:[system][auth][user][add][home]}, shell=%{DATA:[system][auth][user][add][shell]}$",
                        "%{SYSLOGTIMESTAMP:[system][auth][timestamp]} %{SYSLOGHOST:[system][auth][hostname]} %{DATA:[system][auth][program]}(?:[%{POSINT:[system][auth][pid]}])?: %{GREEDYMULTILINE:[system][auth][message]}"] }
              pattern_definitions => {
                "GREEDYMULTILINE"=> "(.|n)*"
              }
              remove_field => "message"
            }
            date {
              match => [ "[system][auth][timestamp]", "MMM  d HH:mm:ss", "MMM dd HH:mm:ss" ]
            }
            geoip {
              source => "[system][auth][ssh][ip]"
              target => "[system][auth][ssh][geoip]"
            }
          }
          else if [fileset][name] == "syslog" {
            grok {
              match => { "message" => ["%{SYSLOGTIMESTAMP:[system][syslog][timestamp]} %{SYSLOGHOST:[system][syslog][hostname]} %{DATA:[system][syslog][program]}(?:[%{POSINT:[system][syslog][pid]}])?: %{GREEDYMULTILINE:[system][syslog][message]}"] }
              pattern_definitions => { "GREEDYMULTILINE" => "(.|n)*" }
              remove_field => "message"
            }
            date {
              match => [ "[system][syslog][timestamp]", "MMM  d HH:mm:ss", "MMM dd HH:mm:ss" ]
            }
          }
        }
      }
      

      Salve e feche o arquivo quando terminar.

      Por fim, crie um arquivo de configuração chamado 30-elasticsearch-output.conf:

      • sudo nano /etc/logstash/conf.d/30-elasticsearch-output.conf

      Insira a seguinte configuração para output. Essencialmente, esta saída configura o Logstash para armazenar os dados do Beats no Elasticsearch, que está sendo executado em localhost:9200, em um índice ou index nomeado após o uso do Beat. O Beat usado neste tutorial é o Filebeat:

      /etc/logstash/conf.d/30-elasticsearch-output.conf

      
      output {
        elasticsearch {
          hosts => ["localhost:9200"]
          manage_template => false
          index => "%{[@metadata][beat]}-%{[@metadata][version]}-%{+YYYY.MM.dd}"
        }
      }
      

      Salve e feche o arquivo.

      Se você quiser adicionar filtros para outros aplicativos que usam a entrada Filebeat, certifique-se de nomear os arquivos de forma que eles sejam classificados entre a configuração de entrada e a de saída, o que significa que os nomes dos arquivos devem começar com um número de dois dígitos entre 02 e 30.

      Teste sua configuração do Logstash com este comando:

      • sudo -u logstash /usr/share/logstash/bin/logstash --path.settings /etc/logstash -t

      Se não houver erros de sintaxe, sua saída exibirá Configuration OK após alguns segundos. Se você não vir isso na sua saída, verifique se há erros que apareçam na sua saída e atualize sua configuração para corrigi-los.

      Se seu teste de configuração for bem-sucedido, inicie e ative o Logstash para colocar as mudanças de configuração em vigor:

      • sudo systemctl start logstash
      • sudo systemctl enable logstash

      Agora que o Logstash está sendo executado corretamente e está totalmente configurado, vamos instalar o Filebeat.

      Passo 4 — Instalando e Configurando o Filebeat

      O Elastic Stack usa vários carregadores de dados leves chamados Beats para coletar dados de várias fontes e transportá-los para o Logstash ou para o Elasticsearch. Aqui estão os Beats que estão atualmente disponíveis na Elastic:

      • Filebeat: coleta e envia arquivos de log.

      • Metricbeat: coleta métricas de seus sistemas e serviços.

      • Packetbeat: coleta e analisa dados da rede.

      • Winlogbeat: coleta logs de eventos do Windows.

      • Auditbeat: coleta dados da estrutura de auditoria do Linux e monitora a integridade dos arquivos.

      • Heartbeat: monitora serviços para verificar sua disponibilidade com sondagem ativa.

      Neste tutorial, usaremos o Filebeat para encaminhar logs locais para o nosso Elastic Stack.

      Instale o Filebeat usando o apt:

      • sudo apt install filebeat

      Em seguida, configure o Filebeat para se conectar ao Logstash. Aqui, vamos modificar o arquivo de configuração de exemplo que vem com o Filebeat.

      Abra o arquivo de configuração do Filebeat:

      • sudo nano /etc/filebeat/filebeat.yml

      Nota: Assim como no Elasticsearch, o arquivo de configuração do Filebeat está no formato YAML. Isso significa que a identação adequada é crucial, portanto, certifique-se de usar o mesmo número de espaços indicados nestas instruções.

      O Filebeat suporta várias saídas, mas normalmente você só envia eventos diretamente para o Elasticsearch ou para o Logstash para processamento adicional. Neste tutorial, usaremos o Logstash para executar processamento adicional nos dados coletados pelo Filebeat. O Filebeat não precisará enviar nenhum dado diretamente para o Elasticsearch, então vamos desativar essa saída. Para fazer isso, encontre a seção output.elasticsearch e comente as seguintes linhas, precedendo-as com um #:

      /etc/filebeat/filebeat.yml

      
      ...
      #output.elasticsearch:
        # Array of hosts to connect to.
        #hosts: ["localhost:9200"]
      ...
      

      Em seguida, configure a seção output.logstash. Descomente as linhas output.logstash: e hosts: ["localhost:5044"] removendo o #. Isto irá configurar o Filebeat para se conectar ao Logstash no seu servidor Elastic Stack na porta 5044, a porta para a qual especificamos uma entrada do Logstash anteriormente:

      /etc/filebeat/filebeat.yml

      
      output.logstash:
        # The Logstash hosts
        hosts: ["localhost:5044"]
      

      Salve e feche o arquivo.

      A funcionalidade do Filebeat pode ser estendida com os módulos do Filebeat. Neste tutorial vamos usar o módulo system, que coleta e analisa logs criados pelo serviço de logs do sistema em distribuições comuns do Linux.

      Vamos habilitar isso:

      • sudo filebeat modules enable system

      Você pode ver uma lista de módulos ativados e desativados executando:

      • sudo filebeat modules list

      Você verá uma lista semelhante à seguinte:

      Output

      Enabled: system Disabled: apache2 auditd elasticsearch icinga iis kafka kibana logstash mongodb mysql nginx osquery postgresql redis traefik

      Por padrão, o Filebeat é configurado para usar os caminhos padrão para os logs de syslog e de autorização. No caso deste tutorial, você não precisa alterar nada na configuração. Você pode ver os parâmetros do módulo no arquivo de configuração /etc/filebeat/modules.d/system.yml.

      Em seguida, carregue o modelo de index do Elasticsearch. Um index do Elasticsearch é uma coleção de documentos que possuem características semelhantes. Os index são identificados com um nome, que é usado para se referir ao index ao executar várias operações dentro dele. O modelo de index será aplicado automaticamente quando um novo index for criado.

      Para carregar o modelo, use o seguinte comando:

      • sudo filebeat setup --template -E output.logstash.enabled=false -E 'output.elasticsearch.hosts=["localhost:9200"]'

      Output

      Loaded index template

      O Filebeat vem com painéis de amostra do Kibana que lhe permitem visualizar dados do Filebeat no Kibana. Antes de poder usar os painéis, você precisa criar o padrão de index e carregar os painéis no Kibana.

      À medida que os painéis são carregados, o Filebeat se conecta ao Elasticsearch para verificar as informações da versão. Para carregar painéis quando o Logstash está ativado, é necessário desativar a saída do Logstash e ativar a saída do Elasticsearch:

      • sudo filebeat setup -e -E output.logstash.enabled=false -E output.elasticsearch.hosts=['localhost:9200'] -E setup.kibana.host=localhost:5601

      Você verá uma saída que se parece com isto:

      Output

      2018-09-10T08:39:15.844Z INFO instance/beat.go:273 Setup Beat: filebeat; Version: 6.4.2 2018-09-10T08:39:15.845Z INFO elasticsearch/client.go:163 Elasticsearch url: http://localhost:9200 2018-09-10T08:39:15.845Z INFO pipeline/module.go:98 Beat name: elk 2018-09-10T08:39:15.845Z INFO elasticsearch/client.go:163 Elasticsearch url: http://localhost:9200 2018-09-10T08:39:15.849Z INFO elasticsearch/client.go:708 Connected to Elasticsearch version 6.4.2 2018-09-10T08:39:15.856Z INFO template/load.go:129 Template already exists and will not be overwritten. Loaded index template Loading dashboards (Kibana must be running and reachable) 2018-09-10T08:39:15.857Z INFO elasticsearch/client.go:163 Elasticsearch url: http://localhost:9200 2018-09-10T08:39:15.865Z INFO elasticsearch/client.go:708 Connected to Elasticsearch version 6.4.2 2018-09-10T08:39:15.865Z INFO kibana/client.go:113 Kibana url: http://localhost:5601 2018-09-10T08:39:45.357Z INFO instance/beat.go:659 Kibana dashboards successfully loaded. Loaded dashboards 2018-09-10T08:39:45.358Z INFO elasticsearch/client.go:163 Elasticsearch url: http://localhost:9200 2018-09-10T08:39:45.361Z INFO elasticsearch/client.go:708 Connected to Elasticsearch version 6.4.2 2018-09-10T08:39:45.361Z INFO kibana/client.go:113 Kibana url: http://localhost:5601 2018-09-10T08:39:45.455Z WARN fileset/modules.go:388 X-Pack Machine Learning is not enabled Loaded machine learning job configurations

      Agora você pode iniciar e ativar o Filebeat:

      • sudo systemctl start filebeat
      • sudo systemctl enable filebeat

      Se você configurou seu Elastic Stack corretamente, o Filebeat começará a enviar seus registros de log e autorização para o Logstash, que então carregará esses dados no Elasticsearch.

      Para verificar se o Elasticsearch está realmente recebendo esses dados, consulte o index do Filebeat com este comando:

      • curl -XGET 'http://localhost:9200/filebeat-*/_search?pretty'

      Você verá uma saída semelhante a esta:

      Output

      ... { "took" : 32, "timed_out" : false, "_shards" : { "total" : 3, "successful" : 3, "skipped" : 0, "failed" : 0 }, "hits" : { "total" : 1641, "max_score" : 1.0, "hits" : [ { "_index" : "filebeat-6.4.2-2018.10.10", "_type" : "doc", "_id" : "H_bZ62UBB4D0uxFRu_h3", "_score" : 1.0, "_source" : { "@version" : "1", "message" : "Oct 10 06:22:36 elk systemd[1]: Reached target Local File Systems (Pre).", "@timestamp" : "2018-10-10T08:43:56.969Z", "host" : { "name" : "elk" }, "source" : "/var/log/syslog", "input" : { "type" : "log" }, "tags" : [ "beats_input_codec_plain_applied" ], "offset" : 296, "prospector" : { "type" : "log" }, "beat" : { "version" : "6.4.2", "hostname" : "elk", "name" : "elk" } } }, ...

      Se a sua saída mostrar 0 total hits, o Elasticsearch não está carregando nenhum registro sob o index que você pesquisou, e você precisará revisar sua configuração para verificar erros. Se você recebeu a saída esperada, continue para a próxima etapa, na qual veremos como navegar em alguns dos painéis do Kibana.

      Passo 5 — Explorando os Painéis do Kibana

      Vamos dar uma olhada no Kibana, a interface web que instalamos anteriormente.

      Em um navegador web, vá para o FQDN ou endereço IP público do seu servidor Elastic Stack. Depois de inserir as credenciais de login que você definiu no Passo 2, você verá a página inicial do Kibana:

      Clique no link Discover na barra de navegação à esquerda. Na página Discover, selecione o padrão de index predefinido filebeat-* para ver os dados do Filebeat. Por padrão, isso mostrará todos os dados do log nos últimos 15 minutos. Você verá um histograma com eventos de log, e algumas mensagens de log como abaixo:

      Aqui, você pode pesquisar e navegar pelos seus logs e também personalizar seu painel. Neste ponto, porém, não haverá muita coisa porque você está apenas coletando syslogs do seu servidor Elastic Stack.

      Use o painel esquerdo para navegar até a página Dashboard e pesquise pelos painéis do Filebeat System. Uma vez lá, você pode procurar os painéis de amostra que vêm com o módulo system do Filebeat.

      Por exemplo, você pode visualizar estatísticas detalhadas com base em suas mensagens do syslog:

      Você também pode ver quais usuários usaram o comando sudo e quando:

      Kibana tem muitos outros recursos, como gráficos e filtragem, então sinta-se livre para explorar.

      Conclusão

      Neste tutorial, você aprendeu como instalar e configurar o Elastic Stack para coletar e analisar logs do sistema. Lembre-se de que você pode enviar praticamente qualquer tipo de log ou dados indexados para o Logstash usando o Beats, mas os dados se tornam ainda mais úteis se forem analisados e estruturados com um filtro Logstash, pois isso transforma os dados em um formato consistente que pode ser lido facilmente pelo Elasticsearch.

      Por Justin Ellingwood e Vadym Kalsin



      Source link

      Como Provisionar e Gerenciar Hosts Remotos do Docker com Docker Machine no Ubuntu 18.04


      Introdução

      Docker Machine é uma ferramenta que facilita o provisionamento e o gerenciamento de vários hosts Docker remotamente a partir do seu computador pessoal. Esses servidores são comumente chamados de hosts Dockerizados e são usados para executar containers do Docker.

      Embora o Docker Machine possa ser instalado em um sistema local ou remoto, a abordagem mais comum é instalá-lo em seu computador local (instalação nativa ou máquina virtual) e usá-lo para provisionar servidores remotos Dockerizados.

      Embora o Docker Machine possa ser instalado na maioria das distribuições Linux, bem como no MacOS e no Windows, neste tutorial, você o instalará em sua máquina local executando Ubuntu 18.04 e o usará para provisionar Droplets Dockerizados na DigitalOcean. Se você não tem uma máquina local Ubuntu 18.04, você pode seguir estas instruções em qualquer servidor Ubuntu 18.04.

      Pré-requisitos

      Para seguir este tutorial, você vai precisar do seguinte:

      • Uma máquina local ou servidor executando o Ubuntu 18.04 com o Docker instalado. Veja Como Instalar e Usar o Docker no Ubuntu 18.04 para instruções.

      • Um token de API da DigitalOcean. Se você não tiver um, gere-o usando este guia. Quando você gerar um token, certifique-se de que ele tenha um escopo de leitura e gravação. Esse é o padrão, portanto, se você não alterar nenhuma opção enquanto estiver gerando, ela terá recursos de leitura e gravação.

      Passo 1 — Instalando o Docker Machine

      Para usar a Docker Machine, você deve primeiro instalá-lo localmente. No Ubuntu, isso significa baixar um punhado de scripts do repositório oficial do Docker no GitHub.

      Para baixar e instalar o binário do Docker Machine, digite:

      • wget https://github.com/docker/machine/releases/download/v0.15.0/docker-machine-$(uname -s)-$(uname -m)

      O nome do arquivo deve ser docker-machine-Linux-x86_64. Renomeie-o para docker-machine para torná-lo mais fácil de trabalhar:

      • mv docker-machine-Linux-x86_64 docker-machine

      Torne-o executável:

      Mova ou copie-o para o diretório /usr/local/bin para que ele esteja disponível como um comando do sistema:

      • sudo mv docker-machine /usr/local/bin

      Verifique a versão, o que indicará que ele está corretamente instalado:

      Você verá uma saída semelhante a esta, exibindo o número da versão e a compilação:

      Output

      docker-machine version 0.15.0, build b48dc28d

      O Docker Machine está instalado. Vamos instalar algumas ferramentas auxiliares adicionais para facilitar o trabalho com o Docker Machine.

      Passo 2 — Instalando Scripts Adicionais do Docker Machine

      Existem três scripts Bash no repositório GitHub do Docker Machine que você pode instalar para facilitar o trabalho com os comandos docker e docker-machine. Quando instalados, esses scripts fornecem o recurso de auto-completar comandos e de personalização do prompt.

      Nesta etapa, você irá instalar esses três scripts no diretório /etc/bash_completion.d em sua máquina local, baixando-os diretamente do repositório GitHub do Docker Machine.

      Nota: Antes de baixar e instalar um script da internet em um local disponível do sistema, você deve inspecionar o conteúdo do script primeiro, visualizando a URL de origem em seu navegador.

      O primeiro script permite que você veja a máquina ativa no seu prompt. Isso é útil quando você está trabalhando e alternando entre várias máquinas Dockerizadas. O script é chamado de docker-machine-prompt.bash. Baixe-o

      • sudo wget https://raw.githubusercontent.com/docker/machine/master/contrib/completion/bash/docker-machine-prompt.bash -O /etc/bash_completion.d/docker-machine-prompt.bash

      Para completar a instalação deste arquivo, você terá que modificar o valor da variável PS1 no seu arquivo .bashrc. A variável PS1 é uma variável de shell especial usada para modificar o prompt de comando do Bash. Abra o ~/.bashrc em seu editor:

      Dentro desse arquivo, existem três linhas que começam com PS1. Elas devem se parecer com estas:

      ~/.bashrc

      
      PS1='${debian_chroot:+($debian_chroot)}[33[01;32m]u@h[33[00m]:[33[01;34m]w[33[00m]$ '
      
      ...
      
      PS1='${debian_chroot:+($debian_chroot)}u@h:w$ '
      
      ...
      
      PS1="[e]0;${debian_chroot:+($debian_chroot)}u@h: wa]$PS1"
      

      Para cada linha, insira $(__docker_machine_ps1 " [%s]") perto do final, conforme mostrado no exemplo a seguir:

      ~/.bashrc

      PS1='${debian_chroot:+($debian_chroot)}[33[01;32m]u@h[33[00m]:[33[01;34m]w[33[00m]$(__docker_machine_ps1 " [%s]")$ ' ... PS1='${debian_chroot:+($debian_chroot)}u@h:w$(__docker_machine_ps1 " [%s]")$ ' ... PS1="[e]0;${debian_chroot:+($debian_chroot)}u@h: wa]$(__docker_machine_ps1 " [%s]")$PS1"

      Salve e feche o arquivo.

      O segundo script é chamado de docker-machine-wrapper.bash. Ele adiciona um subcomando use ao comando docker-machine, facilitando significativamente a alternância entre os hosts Docker. Para baixá-lo, digite:

      • sudo wget https://raw.githubusercontent.com/docker/machine/master/contrib/completion/bash/docker-machine-wrapper.bash -O /etc/bash_completion.d/docker-machine-wrapper.bash

      O terceiro script é chamado de docker-machine.bash. Ele adiciona o auto-completar ao bash para os comandos docker-machine. Baixe-o usando:

      • sudo wget https://raw.githubusercontent.com/docker/machine/master/contrib/completion/bash/docker-machine.bash -O /etc/bash_completion.d/docker-machine.bash

      Para aplicar as alterações feitas até agora, feche e reabra seu terminal. Se você estiver logado na máquina via SSH, saia da sessão e faça o login novamente, e você terá o auto-completar de comandos para os comandos docker e docker-machine.

      Vamos testar as coisas criando um novo host Docker com o Docker Machine.

      Passo 3 — Provisionando um Host Dockerizado Usando o Docker Machine

      Agora que você tem o Docker e o Docker Machine em execução em sua máquina local, é possível provisionar um Droplet Dockerizado em sua conta da DigitalOcean usando o comando docker-machine create do Docker Machine. Se você ainda não o fez, atribua seu token da API da DigitalOcean a uma variável de ambiente:

      • export DOTOKEN=seu-token-de-api

      NOTA: Este tutorial usa DOTOKEN como a variável bash para o token da API da DigitalOcean. O nome da variável não precisa ser DOTOKEN e não precisa estar em maiúsculas.

      Para tornar a variável permanente, coloque-a em seu arquivo ~/.bashrc. Este passo é opcional, mas é necessário se você quiser que o valor persista entre sessões de shell.

      Abra esse arquivo com o nano:

      Adicione esta linha ao arquivo:

      ~/.bashrc

      export DOTOKEN=seu-token-de-api
      

      Para ativar a variável na sessão de terminal atual, digite:

      Para chamar o comando docker-machine create com sucesso, você deve especificar o driver que deseja usar, bem como o nome da máquina. O driver é o adaptador para a infraestrutura que você vai criar. Existem drivers para provedores de infraestrutura de nuvem, bem como drivers para várias plataformas de virtualização.

      Vamos usar o driver digitalocean. Dependendo do driver selecionado, você precisará fornecer opções adicionais para criar uma máquina. O driver digitalocean requer o token da API (ou a variável que o fornece) como seu argumento, junto com o nome da máquina que você deseja criar.

      Para criar sua primeira máquina, digite este comando para criar um Droplet na DigitalOcean chamado docker-01:

      • docker-machine create --driver digitalocean --digitalocean-access-token $DOTOKEN docker-01

      Você verá esta saída enquanto o Docker Machine cria o Droplet:

      Output

      ... Installing Docker... Copying certs to the local machine directory... Copying certs to the remote machine... Setting Docker configuration on the remote daemon... Checking connection to Docker... Docker is up and running! To see how to connect your Docker Client to the Docker Engine running on this virtual machine, run: docker-machine env ubuntu1804-docker

      O Docker Machine cria um par de chaves SSH para o novo host para que ele possa acessar o servidor remotamente. O Droplet é provisionado com um sistema operacional e o Docker é instalado. Quando o comando estiver concluído, o seu Droplet Docker estará em funcionamento.

      Para ver a máquina recém-criada a partir da linha de comando, digite:

      A saída será semelhante a esta, indicando que o novo host Docker está em execução:

      Output

      NAME ACTIVE DRIVER STATE URL SWARM DOCKER ERRORS docker-01 - digitalocean Running tcp://209.97.155.178:2376 v18.06.1-ce

      Agora vamos ver como especificar o sistema operacional quando criamos uma máquina.

      Passo 4 — Especificando o SO Básico e as Opções de Droplet ao Criar um Host Dockerizado

      Por padrão, o sistema operacional básico usado ao criar um host Dockerizado com o Docker Machine é supostamente o Ubuntu LTS mais recente. No entanto, no momento desta publicação, o comando docker-machine create ainda está usando o Ubuntu 16.04 LTS como o sistema operacional base, embora o Ubuntu 18.04 seja a edição mais recente do LTS. Portanto, se você precisar rodar o Ubuntu 18.04 em uma máquina recém-provisionada, você terá que especificar o Ubuntu junto com a versão desejada passando a flag --digitalocean-image para o comandodocker-machine create.

      Por exemplo, para criar uma máquina usando o Ubuntu 18.04, digite:

      • docker-machine create --driver digitalocean --digitalocean-image ubuntu-18-04-x64 --digitalocean-access-token $DOTOKEN docker-ubuntu-1804

      Você não está limitado a uma versão do Ubuntu. Você pode criar uma máquina usando qualquer sistema operacional suportado na DigitalOcean. Por exemplo, para criar uma máquina usando o Debian 8, digite:

      • docker-machine create --driver digitalocean --digitalocean-image debian-8-x64 --digitalocean-access-token $DOTOKEN docker-debian

      Para provisionar um host Dockerizado usando o CentOS 7 como o SO base, especifique centos-7-0-x86 como o nome da imagem, da seguinte forma:

      • docker-machine create --driver digitalocean --digitalocean-image centos-7-0-x64 --digitalocean-access-token $DOTOKEN docker-centos7

      O sistema operacional básico não é a única opção que você tem. Você também pode especificar o tamanho do Droplet. Por padrão, é o menor Droplet, que tem 1 GB de RAM, uma única CPU e um SSD de 25 GB.

      Encontre o tamanho do Droplet que você deseja usar procurando o slug correspondente na documentação da API da DigitalOcean.

      Por exemplo, para provisionar uma máquina com 2 GB de RAM, duas CPUs e um SSD de 60 GB, use o slug s-2vcpu-2gb:

      docker-machine create --driver digitalocean --digitalocean-size s-2vcpu-2gb --digitalocean-access-token $DOTOKEN docker-03
      

      Para ver todas as flags específicas para criar um Docker Machine usando o driver da DigitalOcean, digite:

      • docker-machine create --driver digitalocean -h

      Dica: Se você atualizar a página de Droplet do seu painel da DigitalOcean, verá as novas máquinas que você criou usando o comando docker-machine.

      Agora vamos explorar alguns dos outros comandos do Docker Machine.

      Passo 5 — Executando Comandos Adicionais do Docker Machine

      Você viu como provisionar um host Dockerizado usando o subcomando create e como listar os hosts disponíveis para o Docker Machine usando o subcomando ls. Nesta etapa, você aprenderá alguns subcomandos mais úteis.

      Para obter informações detalhadas sobre um host Dockerizado, use o subcomando inspect, da seguinte forma:

      • docker-machine inspect docker-01

      A saída inclui linhas como as da saída mostrada abaixo. A linha Image revela a versão da distribuição Linux usada, e a linha Size indica o slug do tamanho:

      Output

      ... { "ConfigVersion": 3, "Driver": { "IPAddress": "203.0.113.71", "MachineName": "docker-01", "SSHUser": "root", "SSHPort": 22, ... "Image": "ubuntu-16-04-x64", "Size": "s-1vcpu-1gb", ... }, ---

      Para imprimir a configuração de conexão de um host, digite:

      • docker-machine config docker-01

      A saída será smelhante a esta:

      Output

      --tlsverify --tlscacert="/home/kamit/.docker/machine/certs/ca.pem" --tlscert="/home/kamit/.docker/machine/certs/cert.pem" --tlskey="/home/kamit/.docker/machine/certs/key.pem" -H=tcp://203.0.113.71:2376

      A última linha na saída do comando docker-machine config revela o endereço IP do host, mas você também pode obter essa informação digitando:

      • docker-machine ip docker-01

      Se você precisar desligar um host remoto, você pode usar docker-machine para pará-lo:

      • docker-machine stop docker-01

      Verifique se está parado:

      A saída mostra que o status da máquina mudou:

      Ouput

      NAME ACTIVE DRIVER STATE URL SWARM DOCKER ERRORS docker-01 - digitalocean Stopped Unknown

      Para iniciá-la novamente, use o subcomando start:

      • docker-machine start docker-01

      Em seguida, revise seu status novamente:

      Você verá que o STATE agora está definido como Running para o host:

      Ouput

      NAME ACTIVE DRIVER STATE URL SWARM DOCKER ERRORS docker-01 - digitalocean Running tcp://203.0.113.71:2376 v18.06.1-ce

      Em seguida, vamos ver como interagir com o host remoto usando o SSH.

      Passo 6 — Executando Comandos em um Host Dockerizado via SSH

      Neste ponto, você está recebendo informações sobre suas máquinas, mas você pode fazer mais do que isso. Por exemplo, você pode executar comandos nativos do Linux em um host Docker usando o subcomando ssh do docker-machine a partir do seu sistema local. Esta seção explica como executar comandos ssh via docker-machine, bem como abrir uma sessão SSH para um host Dockerizado.

      Supondo que você provisionou uma máquina com o Ubuntu como sistema operacional, execute o seguinte comando em seu sistema local para atualizar o banco de dados de pacotes no host Docker:

      • docker-machine ssh docker-01 apt-get update

      Você pode até mesmo aplicar atualizações disponíveis usando:

      • docker-machine ssh docker-01 apt-get upgrade

      Não tem certeza de qual kernel seu host Docker remoto está usando? Digite o seguinte:

      • docker-machine ssh docker-01 uname -r

      Finalmente, você pode efetuar login no host remoto com o comando docker machine ssh:

      • docker-machine ssh docker-01

      Você estará logado como usuário root e verá algo semelhante ao seguinte:

      Welcome to Ubuntu 16.04.5 LTS (GNU/Linux 4.4.0-131-generic x86_64)
      
       * Documentation:  https://help.ubuntu.com
       * Management:     https://landscape.canonical.com
       * Support:        https://ubuntu.com/advantage
      
        Get cloud support with Ubuntu Advantage Cloud Guest:
          http://www.ubuntu.com/business/services/cloud
      
      14 packages can be updated.
      10 updates are security updates.
      

      Faça o logout digitando exit para retornar à sua máquina local.

      Em seguida, direcionaremos comandos do Docker em nosso host remoto.

      Passo 7 — Ativando um Host Dockerizado

      A ativação de um host Docker conecta seu cliente Docker local a esse sistema, o que possibilita a execução de comandos docker comuns no sistema remoto.

      Primeiro, use o Docker Machine para criar um novo host do Docker chamado docker-ubuntu usando o Ubuntu 18.04:

      • docker-machine create --driver digitalocean --digitalocean-image ubuntu-18-04-x64 --digitalocean-access-token $DOTOKEN docker-ubuntu

      Para ativar um host Docker, digite o seguinte comando:

      • eval $(docker-machine env machine-name)

      Alternativamente, você pode ativá-lo usando este comando:

      • docker-machine use machine-name

      Uma dica ao trabalhar com vários hosts Docker, é que o comando docker-machine use é o método mais fácil de alternar de um para o outro.

      Depois de digitar qualquer um desses comandos, seu prompt será alterado para indicar que o cliente Docker está apontando para o host do Docker remoto. Ele terá essa forma. O nome do host estará no final do prompt:

      username@localmachine:~ [docker-01]$
      

      Agora, qualquer comando docker que você digitar neste prompt de comando será executado naquele host remoto.

      Execute docker-machine ls novamente:

      Você verá um asterisco sob a coluna ACTIVE para docker-01:

      Output

      NAME ACTIVE DRIVER STATE URL SWARM DOCKER ERRORS docker-01 * digitalocean Running tcp://203.0.113.71:2376 v18.06.1-ce

      Para sair do host Docker remoto, digite o seguinte:

      Seu prompt não mostrará mais o host ativo.

      Agora vamos criar containers na máquina remota.

      Passo 8 — Criando Containers Docker em um Host Dockerizado Remoto

      Até agora, você provisionou um Droplet Dockerizado na sua conta DigitalOcean e o ativou — ou seja, seu cliente Docker está apontando para ele. O próximo passo lógico é criar containers nele. Por exemplo, vamos tentar executar o container Nginx oficial.

      Utilize docker-machine use para selecionar sua máquina remota:

      • docker-machine use docker-01

      Em seguida, execute este comando para executar um container Nginx nessa máquina:

      • docker run -d -p 8080:80 --name httpserver nginx

      Neste comando, estamos mapeando a porta 80 no container Nginx para a porta 8080 no host Dockerizado para que possamos acessar a página padrão do Nginx de qualquer lugar.

      Depois que o container for construído, você poderá acessar a página padrão do Nginx apontando seu navegador para http://docker_machine_ip:8080.

      Enquanto o host Docker ainda estiver ativado (conforme visto pelo seu nome no prompt), você poderá listar as imagens nesse host:

      A saída inclui a imagem Nginx que você acabou de usar:

      • Output
      • REPOSITORY TAG IMAGE ID CREATED SIZE
      • nginx latest 71c43202b8ac 3 hours ago 109MB

      Você também pode listar os containers ativos ou em execução no host:

      Se o container Nginx que você executou nesta etapa for o único container ativo, a saída ficará assim:

      Output

      CONTAINER ID IMAGE COMMAND CREATED STATUS PORTS NAMES d3064c237372 nginx "nginx -g 'daemon of…" About a minute ago Up About a minute 0.0.0.0:8080->80/tcp httpserver

      Se você pretende criar containers em uma máquina remota, seu cliente Docker deve estar apontando para ele — isto é, deve ser a máquina ativa no terminal que você está usando. Caso contrário, você estará criando o container em sua máquina local. Novamente, deixe seu prompt de comando ser seu guia.

      O Docker Machine pode criar e gerenciar hosts remotos e também pode removê-los.

      Passo 9 – Removendo Hosts Docker

      Você pode usar o Docker Machine para remover um host Docker que você criou. Use o comando docker-machine rm para remover o host docker-01 que você criou:

      • docker-machine rm docker-01

      O Droplet é excluído junto com a chave SSH criada para ele. Liste os hosts novamente:

      Desta vez, você não verá o host docker-01 listado na saída. E se você criou apenas um host, você não verá saída alguma.

      Certifique-se de executar o comando docker-machine use -u para apontar seu daemon do Docker local de volta para sua máquina local.

      Passo 10 — Desativando o Relatório de Falhas (Opcinal)

      Por padrão, sempre que uma tentativa de provisionar um host Dockerizado usando o Docker Machine falha, ou o Docker Machine trava, algumas informações de diagnóstico são enviadas para uma conta Docker em Bugsnag. Se você não está confortável com isso, você pode desabilitar o relatório criando um arquivo vazio chamado no-error-report no diretório .docker/machine do seu computador local.

      Para criar o arquivo, digite:

      • touch ~/.docker/machine/no-error-report

      Verifique o arquivo em busca de mensagens de erro para falhas de provisionamento ou travamento do Docker Machine.

      Conclusão

      Você instalou o Docker Machine e o usou para provisionar vários hosts Docker na DigitalOcean remotamente a partir do seu sistema local. A partir daqui, você deve ser capaz de provisionar quantos hosts Dockerizados forem necessários em sua conta DigitalOcean.

      Para mais informações sobre o Docker Machine, visite a página de documentação oficial. Os três scripts Bash baixados neste tutorial estão hospedados nessa página do GitHub.

      Por finid e Brian Hogan



      Source link